Belém Novo mobilizado para não ficar “atrás das grades”

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×
Fernando Cunha para o jornal GERAmigos ZS edição nov/12
“Presídio”, essa é a palavra que há anos tira o sono dos moradores do bairro Belém Novo, na Capital. Na verdade, é assim que a comunidade chama o Centro de Recuperação para Menores Infratores, que há cerca de dez anos promete ser instalado no bairro.

De acordo com a Fundação de Atendimento Sócio-Educativo do Rio Grande do Sul (Fase), responsável pelo Centro, “mais de 50% da demanda do Estado acaba vindo para Porto Alegre e a construção de um novo local é obrigatório para suprir a alta demanda que atualmente está com lotação máxima”. Segundo a Fundação, o nome correto é Centro de Atendimento Sócio Educativo POA 3 (Case
POA 3).

A comunidade está mobilizada para reverter o atual plano do Estado em fixar o Centro em Belém Novo, por se tratar, de acordo com os moradores, de um bairro carente em infraestrutura, saúde, creches e escola técnica para jovens. “Em nossa comunidade não temos creche, não temos vagas nas escolas e o Estado quer instalar esse Centro aqui, onde eles terão toda a estrutura lá dentro, sendo que a comunidade continuará com os problemas do lado de fora dos muros”, diz Miriam Caldas, representante ativa da comunidade de Belém Novo.

Comunidade e Estado também divergem quando o assunto é o local. De acordo com Miriam, está definido que o Centro será criado no espaço físico onde há o Abrigo e a Escola Nehyta Martins Ramos, na Avenida do Lami. Segundo a Fase, o Estado ainda não adquiriu o terreno para a instalação do Case POA 3.

Conforme a Fase, Centros de Atendimento Sócio Educativo serão criados em Porto Alegre, Santa Cruz e Osório, além de um Centro Profissionalizante, também na Capital.

A comunidade de Belém Novo vem realizando reuniões sobre o assunto, a última ocorreu no dia 25 de outubro. De acordo com Miriam, também existe um abaixo assinado no CTG Piquete da Amizade (Rua Doutor Carlos Flores, 31 – Belém Novo), que pede uma Audiência Pública com o Estado para tratar do caso.

Texto de Fernando Cunha ©

2 comentários em “Belém Novo mobilizado para não ficar “atrás das grades”

  • fevereiro 19, 2013 em 8:53 pm
    Permalink

    Posso replicar o conteúdo desse post, citando o blog como referência, no nosso http://www.belemnovo.com.br? Também estamos buscando notícias recentes sobre as lotações para o bairro, sobre a nova linha da Carris (T12) e se o projeto de catamarãs tem chances de vingar. Obrigado!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×